domingo, 12 de outubro de 2008

Finalmente... Voltei!

Voltei a pescar!
Isto andou complicado!
Muita actividade ao fim de semana, muita programação, muita ficha de avaliação, muita reunião para análise e discussão, muito tempo gasto... Melhor dizendo, talvez perdido!?
Mas já não interessa!
As coisas têm o valor que lhes queremos dar, e, de tanto efectuadas, acabam por se tornar vulgares! Depois... Bem, depois, é necessário arranjar espaço para o equilíbrio! Não é fácil! Mas, como refere um conhecido meu, se quisermos muito, mas mesmo muito, acabamos por conseguir tempo onde pensamos que este já não existe!
Com algum sofrimento, mas a coisa acaba por se dar!
Com isto tudo, lá voltei às minhas lides, naquela terra onde costumo pescar! Aquela que já conhecem: Sines!
Quando lá chego, após interregnos mais prolongados, vou sempre a pensar se tudo estará bem, se o barco não terá qualquer problema, se entrou água da chuva por alguma passagem que o tempo abriu, enfim, pensamentos de quem, sem ser pessimista, está em guarda relativamente a algo que lhe possa estragar os planos. E que planos eu levava!?
Sexta à tarde iria zagaiar até à noite, e, no Sábado, pescar ao fundo com uns amigos que vinham de Setúbal.
Nada aconteceu assim! Mas, as minhas preocupações em relação a isso foram nulas! Parece estranho? Mas não é!
Chego ao barco e as minhas preocupações acabam! Muito porque a calma reinante naquele porto e, talvez, o gosto que tenho em estar por ali, sempre me permitem procurar soluções adequadas ao meu bem estar, e, ao daqueles que possam ir comigo, únicas questões que me enchem o pensamento por aquelas bandas.
O vento Leste fresco que se fazia sentir, não permitia ir zagaiar onde queria, e, os amigos que eram para ir comigo, no Sábado, telefonaram a dizer que ia chover e tal... O que, de imediato, acabou com o programa inicial. No entanto, analisando a questão, concluí para com os meus botões:
Olha! Tenho um dia e meio, todo para mim! Posso fazer o que me der na real gana! Posso ir à hora que quiser! O tempo não está grande coisa, mas, amanhã pesco, mais cedo ou mais tarde... O tempo o dirá!
Senti-me à vontade para decidir o plano B! Chatice!!!
Fui visitar o Paulo, lá à loja de pesca do Porto de Recreio, ele deixou-me dar uma volta na net para ver o tempo, cavaqueámos, falámos de materiais, de pesqueiros, de pescas... Concluímos que o Sábado poderia dar um bom dia de pesca, passei os olhos pelos materiais que por lá tinha, pensando que, para além de muito composta, a loja tem uns preços bastante agradáveis, e, finalmente, saí em direcção ao barco com ideia feita! Vou fazer as pescas para amanhã, montar as canas e limpar algum do pó que o tempo deixou durante esta paragem... Demasiado grande, a meu ver!
Arrumei o barco e espalhei os apetrechos todos, anzóis, linhas, destorcedores, canas, carretos, a faca afiada e o corta unhas, sabem como é!? Sabem o gozo que dá!? Espalhar aquilo tudo, decidir o que fazer, o que montar e ir começando a pensar nos exemplares monstruosos que, o que quer que dali possa sair, permitirá capturar no dia seguinte. Tudo isto sem pensar em horas ou em qualquer compromisso que possamos ter e que nos obrigará, em qualquer momento, a interromper tão "nobre" actividade!
Preparei as baixadas para dois anzóis, com os destorcedores acoplados a 1,50 de distância entre eles, aplicando um fiel com destorcedor para a chumbada, com uns 20 cm, no que suporta o anzol de baixo e acomodei-as, sem colocar os estralhos e anzóis. Prefiro colocá-los no mar, quando levo este material suplente. Caso os comprimentos de estralhos ou o tamanho dos anzóis não estejam a resultar, posso decidir como fazer as substituições!
Preparei as canas!
Uma para a isca viva! Uma para iscadas grandes de Sardinha e Cavala frescas! E, outra para pescar na mão, com as iscadas que me derem na real gana, conforme os momentos e os sinais sugeridos pelos toques.
Arrumei tudo, acomodei as canas, olhei para a obra e gostei do que vi! Saí, satisfeito, para o meu banho e jantar, pensando que a manhã do dia seguinte ditaria as minhas acções!
Dormi o sono dos justos, embalado pela chuva fraca que caía no tombadilho, acordei com ela e virei-me para o outro lado, com o ouvido nos sons do vento, sentindo a sua diminuição progressiva e a chegada da hora de pescar.
Fiz o que havia para ser feito e saí para o mar, sem dicas, e, com o conhecimento anterior de pesqueiros e outras pescas feitas nesta altura. Bateu tudo certo!
O primeiro pargo de 2 kgs (foto de abertura), entrou meia hora depois da pesca iniciada, seguindo-se outra captura quase igual, 15 minutos depois!
O vento entrou mais forte e tornou a cair, a cana da isca viva afundou, indicando maior presa! Atiro-me a ela e trabalho o animal que aparece na imagem seguinte, um Pargo Dourado com 3,180 kgs.
Os sinais estiveram lá, sempre, as iscas comidas, os toques mais ou menos sensíveis, mais ou menos agressivos, dependendo da isca que se colocava, mas com resultados a elegerem, mais uma vez, a Sardinha, como Rainha do dia.
Já eram três da tarde e a pesca ficou morna, assim como o dia, com vento caído, calor pesado e mar como óleo! Quem diria... depois da ventania matinal!
Insisti mais um pouco e capturei outro Parguito, para aí de quilo e pouco, antes que o pesqueiro se tornasse quase morto, por volta das quatro horas da tarde!
Tinha quatro Pargos a bordo, a pesar 8,400 kgs! O que precisava mais? Nada, pensei!
Depois lembrei-me de testar conhecimentos antigos e perceber se as coisas se mantinham!
Fui para cima da areia, ali por fora do molhe Oeste, testar os Besugos, mais pela curiosidade de saber se antigos costumes do peixe se mantinham.
Poitei no limpo, lancei as pescas e entraram os primeiros Aranhas, depois Carapaus e logo os Besugos! Nada me falhou! Tudo funcionou... Os pesqueiros! As horas! Os peixes!
Só não entrou aquele... O tal! Mas fiquei satisfeito comigo, com o dia e com as capturas!
Apresento-vos os dois maiores da jornada, na foto abaixo!

Em seguida, o "Gang" todo, com um Besugo, a aparecer, tímido, ali no canto inferior direito. Bonitos, não são?


Concluindo! Um belo dia de pesca, com tempo variado, calma, sem horas, com tudo a surtir o efeito desejado!

Sem dúvida, para mim, o dia ideal; depois de interregno tão "monstruoso"!

Só lamento as fotos! Não são as que gosto de apresentar, são as possíveis por estar a solo!

Assim que puder... Tiro melhores!

Boa noite a todos!

8 comentários:

Paulo karva disse...

Viva Ernesto.
Voltas-te em grande. LOL
Mais um belo relato e uma excelente pescaria. Agora os grandes que se cuidem. Então os besugos não saem de lá daquele sitio? Sempre dá para no fim compôr a manta. LOL

Abraço
Paulo karva

MR disse...

Bom regresso sem duvida, bom relato.
Belos vermelhinhos.

AB

bruno mendes disse...

ehehe quem sabe nao perde o jeito.
assim da gosto ja vai algum tempo que nao apanho um desses acima de kilo mas é assim.
Isso agora quer é continuaçao em busca do tal .
Abraços

Anónimo disse...

Oi Ernesto. feliz regresso! Boas capturas! Boa escrita como sempre para os teus "fiéis seguidores". Continuação de boas proas!
Atentamente, Luis R. (dia 15 Nov. manif.)

Anónimo disse...

...Peixinhos e mais peixinhos...!

E o ''TAL'' lá para a xácara?????

Esse é que era bem visto, obrigas-me a levar para aí o barco e ir á procura dele...

Grande Comandante, sempre a facturar, quem sabe nunca esqueçe!

From Caparica City:
Aquele abraço e continuação de boas proas!

Mário Baptista

Atenção: Rendez vous marcado para dia 26/10/08, No sitio do Ti Mário.

Daniel Rodrigues disse...

Belo regresso. O Normal , vá!lol
Já estamos habituados por aqui a estas grandes jornadas de pesca!!

O tempo tem sido escasso também para pescar , mas o meu regresso vai ser como o seu!LOL

Venham mais desses!!

Um Grande abraço,

Daniel Rodrigues

Anónimo disse...

Qualquer dia tenho de me "pendurar" para assistir a uma "aula".
Assim dá gosto, parabéns pela pescaria e pela maneira como nos relata.
Luis Pereira

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Grato pelos comentários!

Nem sempre é assim!

Mas sabe bem quando é!Lol

Abraço!

Ernesto