domingo, 20 de janeiro de 2008

Esquecimentos... E Sinais!

Mais um fim de semana de esquecimento! Ora do que é que me esqueci? Já sei!
Esqueci-me de uma semana de trabalho, algum dele sem sentido!
Esqueci-me do aumento do selo do barco que passou para o dobro, sem que se perceba porquê, já que não vejo a quem vá servir esse dinheiro, para além do famigerado défice, entre muitos outros; nenhum deles com aparente significado para quem mais precisa!
E esqueci-me porquê?
Porque, em primeiro lugar, o tempo para me lembrar de todas essas questões é infinito; em segundo lugar, o acto de pescar no mar é tão absorvente que até parece que mudo de planeta!
O importante é que fui pescar e as coisas, ainda por cima, correram bem!
Encontrámo-nos! Eu, o Raimundo, o Vitor e o Pedro, sem pressas, sentindo que estas são más conselheiras. Fomos buscar a Sardinha, previamente encomendada, e, dirigimo-nos para o barco, onde a juntámos à Bomboca e ao Carangueijo já guardados do dia anterior, sim! Porque eu já tinha lá estado na Sexta! Até já tinha ido ao mar, às quatro da tarde, tendo apanhado o jantar que se constituiu de, um Sargo de quilo, três Douradas e um Pargo, quase tudo do mesmo tamanho! Ali bem perto da saída do porto!

Ter apanhado esse peixe permitiu-me perceber que os sinais estavam bons, deixando no ar boas prespectivas para Sábado!
Contei ao pessoal, o que contribuiu para aumentar o entusiasmo matinal, embora a calma pensada permitisse que ninguém corresse e todas as tarefas habituais se fossem desenrolando a bom ritmo e com a precisão necessária conducente à segurança de homens e materiais.
Lá fomos, conversando e alvitrando sobre os locais e as estratégias a utilizar ao longo do dia, enquanto o motor aquecia até atingir a temperatura ideal e iniciar a velocidade de cruzeiro, naquele mar estanhado, embora fazendo adivinhar a vaga larga que se encontrava lá fora.
Dirigimo-nos ao primeiro pesqueiro, tendo a opção sido o local da última pesca (aquela da Dourada grande, lembram-se?) e pensando que as Douradas ainda por lá andariam!? Enganámo-nos!
Os sinais fornecidos pela sonda não eram os melhores, mas percebia-se alguma actividade e nada como experimentar! Vá de fundear e pescas para o fundo!
Estivemos por lá uma hora e tal... Mas, os sinais apresentavam-se fracos! Subiam anzóis limpos, subiam iscas inteiras, sempre com muito pouca agressividade, não se notando a gulosice dos nossos "amigos", normalmente indicadora de que algo vai acontecer, e, peixe para cima, nada! Hora e meia passada e nem um peixe com medida subiu! Consultada a sonda, verificámos que o fundo não tinha mais peixe que o que por lá andava quando chegámos, indicando-nos que as nossas iscas não estavam a surtir efeito, talvez porque haveriam outros locais mais interessantes para o peixe.
Mudámos de pesqueiro, dirigindo-nos ao local onde tinha estado no dia anterior e as coisas mudaram! Se mudaram!
A sonda mostrou de imediato uma "alegria" diferente! Fundeámos! Pescas para baixo e a "ladroagem" iniciou-se! Distraíamo-nos e as iscadas substanciais de Carangueijo, Sardinha e Bomboca, desapereciam num ápice! Concentrámo-nos! Eles começaram a entrar! Uma Dourada aqui, um Sargo ali, tudo ao Carangueijo, fazendo com que, inconscientemente, utilizássemos mais esta isca, abandonando um pouco a Sardinha, o que me levou a pensar se não seria esse o factor que estaria a contribuir para que o peixe fosse capturado cada vez mais espaçadamente!?
Liguei a sonda e verifiquei a quantidade de azuis e amarelos ao fundo, indicando a existência de muito peixe miúdo! Pensei! Com tanta comida, ou interessamos os "grandes" ou então eles entretêm-se com o que por aqui anda!? Borrifei-me no carangueijo e ataquei com a Sardinha em força, avisando os companheiros!
O peixe não dava descanso, roubava... Roubava continuamente! Se deixávamos picar não ficavam, se tentávamos ferrar ao primeiro toque, idem! Canalha miúda é assim! Não respeitam nada nem ninguém (onde é que já ouvi isto?)!
Continuei a alimentá-los com trabalho e paciência, esperando uma paragem e ela deu-se! Como é possível, com toda esta azáfama, deixarem de picar? Arrepiei-me e aguardei com a pesca parada, acompanhando os movimentos da vaga com o subir e baixar da cana até sentir três toques sucessivos... Secos... Rápidos... E, cana para cima, de forma tão seca e rápida quanto os toques sentidos! Eis que ela verga e eu luto, não muito! Não é dos grandes! Também não é pequeno! É aquele que abre esta entrada, à frente de um gajo de bigode!
Tinha de acontecer! Os sinais estavam lá todos e os pescadores sentiram-nos! Lindo!
A pesca desenrolou-se e o Vitor captura outro, mais pequeno, o da foto abaixo!

Ficou um pouco desolado, queria maior! Há mais marés que marinheiros! só tem de se insistir e acreditar!

Entretanto, outros peixes foram entrando! Um Sargo ali, outra Dourada acolá, tudo perto do quilo! Insistimos na Sardinha e intervalámos com a Bomboca e o Carangueijo, sendo que este último apanhou os oito Sargos do dia!

Os intervalos entre capturas continuavam grandes e o roubo de iscas era uma constante! Há que insistir e não desmobilizar, o que, tendencialmente acontece nestas alturas! Foi o que se fez e o Vitor apanhou outro Pargo, maior que o primeiro! Toda a gente a labutar e eu a insistir na Sardinha, à espreita... Pensando que de um momento para o outro algo se poderia dar e deu-se!

Tinha feito uma paragem, sem me sentar para não amolecer e consequentemente diminuir o entusiasmo, olhando à volta e vendo a azáfama do pessoal, ainda a reagir ao último Pargo apanhado e a mais uma Dourada que se tinha juntado às hostes. Comi uns pastelinhos de bacalhau, uns bocados de frango frito, cortesia das "respectivas", e, fui-me a eles outra vez!

Isquei! Chegou ao fundo e roubaram! Outra vez! Chegou lá e nem toque!? Sentidos alerta, a aguardar um sinal e ele veio, sob a forma de um aliviar da pesca que me fez desconfiar e elevar a cana alto e com força! Ficou a meio, toda dobrada e a linha vá de sair, não muito, mas o suficiente para perceber que a coisa era séria!

A ponteira da cana teimava em entrar na água, eu a acompanhar as fugas e a levantar a cana, dando-lhe luta e contrabalançando as forças opostas, atento ao enfraquecimento destas que foram acontecendo, lenta e calmamente. O bicho lutou forte, pondo à prova tudo o que nos ligava, até a frieza exigida em momentos como este! Chegou cá acima, deitado, exausto e pronto para ser subido, mirado, fotografado e posteriormente guardado! Que lindo e gordo é! Pensei, antecipando os manjares que me proporcionaria e aos meus!

Está na imagem seguinte! Pesou 6,930 kgs!

Agora digam-me lá: como é que eu me vou lembrar de coisas más, num dia com esta actividade e momentos como este? Impossível!

E os sinais? Já os referi em várias entradas! Será que vale a pena estar atento a eles? Acho que sim! A pesca continuou, com toda a gente a tentar! Talvez apareça outro como este ou parecido!?

O Raimundo apanhou mais um pargo para aí de quilo e meio e atacou em força nos Sargos, todos com tamanho idêntico ao que mostra na foto abaixo!

O dia chegou ao fim, embora se custe a aceitar que estes momentos terminem. Melhor será encará-los não como o fim de um dia, mas o início de outra fase que proporcionará outros dias, onde poderemos aplicar os conhecimentos adquiridos com mais esta experiência que, sendo história, nos vai fazer melhorar em outras jornadas, em que seremos cada vez mais capazes de ler e interpretar os sinais, somando conhecimento e resultados, até descobrirmos outra vez que sabemos muito pouco!

Boa noite a todos!

9 comentários:

karva disse...

Viva Ernesto.
Parabéns pela grande pescaria. Quando os sinais estão lá, saber esperar é uma virtude e a recompensa está aí, concretizada nesse magnifico exemplar.
Que a próxima, pelo menos seja igual. :-))

Abraço
Paulo karva

Anónimo disse...

Lindo!!Grande pargo
Muitos Parabéns

Abraço
Paulo Bruno
P.s -Já agora, o que é bomboca?

Ernesto Lima disse...

Viva Paulo!

Grato pelo comentário!

Bomboca é:

Uma ameijoa grande (+/- 6 a 8 cm,) de cor beje, nativa de areais, em locais como Setúbal e algumas zonas do Algarve.
O miolo é grande e suculento, um pouco mais claro que a casca.
O cheiro é intenso e a iscagem pode ser em vivo ou congelado.
Um bom isco, para quase todo o tipo de peixe, entre o Norte do Espichel e Vila Real de Santo António. Para Norte não sei, porque nunca a experimentei nessas zonas.

Um destes dias apresentá-la-ei, aqui no blog!

Aqui em Setúbal é um dos locais onde se pode adquirir, rondando preços entre os 12,5 e os 15 euros por saco de 10 kgs.

Espero ter ajudado!?

Abraço

António Simões disse...

Tão perto de Terra , Ernesto??
Pargos desse tamanhão?? Pelo menos vê-se nalgumas fotos o litoral presente..
Realmente , com pescarias dessas e com peixe tão nobre, não falta apetite e boa disposição!!
Um abraço, até á proxima pescaria.
Cá o aguardamos!!

Abraço
António Simões

valter disse...

Sai no domingo e no meu barco também não foi mau em termos de grandes exemplares. Só tive pena que não apanha-se nenhum. Sairam 2 pargos grandes, com 3kg e 2,5kg. 1 sargo veado com cerca de 2,3kg. 1 peixe galo, mais uns parguetes e umas bicas. Só estranhei foi o tamanho das sarguetas. Daquelas só tinha apanhado no norte.

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Grato pelos Vossos sempre agradáveis comentários!

Ao Valter:
os meus parabéns! A coisa correu bem! E, certamente, não ficará por aí, atendendo à vontade de pescar que se verifica em ti e no teu pessoal!

Ao António Simões:
Pois é António! Foi mesmo ali que aconteceram as capturas!
Muita gente acha que um barco, por ser maior, tem obrigatoriamente de procurar peixe longe!
Eu acho que qualquer barco e respectivos pescadores, devem procurar os peixes onde eles estão, dependendo isso, dos fundos, épocas e necessidades dos próprios peixes!
Um fundo com comedia, pontões altos e entralhados à volta, tem de o ter! Por vezes, não conseguimos apanhá-lo, mas temos de insistir, diversificar, inovar, saber ouvir, acreditar...
O resto vem com os resultados positivos ou negativos e a leitura destes, tendo em conta que se não apanhámos é porque não soubemos!
Pode não ser verdade!? Mas é assim que estou na pesca!

Grande abraço!

Ernesto

Anónimo disse...

No sei do que gosto mais deste Blogg!??...Se e' de ver "continuamente" grandes peixes,ou se
e' dos artigos que os acompanham escritos com um "freestress" que nos agarra ao monitor de uma maneira bastante agradavel e nos desperta e aumenta a cada palavra o interesse que por si ja' era bem grande antes de o comecar a ler...
Parabens por tudo o que aqui apresenta amigo Ernesto.

FC

João Martins disse...

Viva Ernesto Lima

Magnífico documento
Mas tenho uma grande dúvida
Ainda não percebi se o gajo de bigode que cita no texto pesca tão bem como escreve ou escreve tão bem como pesca
Mas ainda vou descobrir... os sinais estão lá

Para a semana há mais

João Martins

joao mendes disse...

viva amigo ernesto.quero lhe dar os parabens pela excelente pessoa que é,por saber que existe pessoas que se preocupam na evoluçao da pesca,e que levam a pesca ao extremo e por este magnifico blog.abraços e cumprimentos .joaomendes