quarta-feira, 2 de março de 2011

A agitação anda por aqui em alta!


Boa tarde a todos!

Pois é... devia estar a pescar, mas não! Reuniões, telefonemas, contactos à esquerda, à direita, a Norte, a Sul e pesca... nada!

Como achava que tinha pouco para fazer, atirei-me a isto:


A ideia já vem de trás, a Câmara Municipal e a empresa Águas do Sado, seu principal apoio no projecto Jogos do Sado, onde se enquadra a Feira; gostaram! O Pessoal do Porto de Abrigo, tecnicamente, está a dar apoio à Comissão Organizadora, enfim... pode dizer-se que as condições parecem ter-se reunido e, eis senão quando, Feira de Pesca em Setúbal para a frente!

A coisa parece ter pernas para andar, a aderência de expositores tem sido francamente positiva,  muito pelo trabalho dos parceiros, bastante interessados e à altura, mas... o volume de trabalho aumenta de dia para dia.
Setúbal merece e tem condições para isso, com aquele rio mesmo ali à beirinha, pescadores, lojistas, clubes e mar com fartura, um parque urbano à beira mar plantado, gente que quer apoiar e uma Câmara Municipal com olhos postos no rio... conjunto de factores que aliado a conceitos e estratégias adequadas, tudo indica, poderão fazer a diferença num certame deste género.

Pena os espaços cobertos não serem de outro tipo, mas, em contrapartida os de ar livre e a proximidade do certame ao rio, oferecem condições excelentes, considerando o conceito que se tentou aplicar à feira que não vou aqui descrever, atendendo a que podem tomar contacto com tudo o que se vai passar se clicarem no cartaz (imagem da Feira) que está no canto superior direito das aplicações aqui da página, logo acima da minha foto de perfil.
Ao clicarem poderão ver a imagem em grande, onde constam: lojistas, importadores, clubes e outras entidades como expositores e parceiros já confirmados.
Na informação escrita poderão tomar contacto com os pormenores da feira: organização, conceitos, estratégias, parcerias, apoios, concursos, fotos do local, programa... um pequeno mundo!
Esperemos que o clima ajude... naqueles dias 1, 2 e 3 Abril!

No meio de tudo isto, ando numa agitação... consulto a meteorologia, à espera de uma aberta que, em tempo disponível, me permita uma fuga para Sines, onde posso gozar a calma da marina...


... onde posso agarrar no barco e seguir para o mar, carregadinho de iscas, amostras... sei lá!? O que me der na gana... olhando a esteira do barco, enquanto me aproximo da zona escolhida...


... onde me atiro à sondagem, procurando o ponto mais quente para fundear ou consulto o GPS, para ver qual a melhor deriva para mandar chumbo colorido lá para baixo e animá-lo até à exaustão.


Todos estes pensamentos, me vão assolando enquanto o trabalho vai saindo e me lembro de repente que já há uns dias não falo convosco. E tantas coisas que sinto ter para falar, histórias ainda por contar, muitas delas a exigirem tempo que de momento não tenho! Mas espera... no meio de tudo isto, fui pescar na quarta-feira passada, dia 23... já nem me lembrava! Vou contar e é para já! Sei lá quando escrevo outra vez?

A semana passada não apresentou aqueles dias calmos de que tanto gostamos, mas a terça, quarta e quinta feiras, pareciam razoáveis. Mais a quinta, dia em que não poderia por lá ficar... a minha filha fazia anos e esse é um dia em que não quero fazer outra coisa que não seja com ela celebrar. Trinta e três, idade bonita! Não há pesca que valha isso!

Havia que aproveitar a terça e quarta, dias com vento, após vendaval... não são dos melhores e a meteorologia não nos dá conta de tudo para estas jornadas.

A ida para Sines aconteceu segunda à tarde, como gosto. Comprei a sardinha, preparei tudo, fui jantar, dormi e acordei com o vento Norte a fazer cantar os brandais dos veleiros, não faltando à verdade com a força prevista para a manhã de terça.

Levei o meu tempo!

Estava só e não tinha pressa nem vontade de ir muito longe, antes preferi gozar a manhã por ali e aguardar a quebra esperada para o meio do dia. Ela aconteceu, mas não como se esperava, mesmo assim insisti e fui para fora do abrigo do Cabo de Sines, onde sondei, procurei, fundeei e pesquei debaixo de tareia da grossa, com vaga de 3 metros e vento cruzado, condições diversas das apregoadas pelo windguru, mas por mim esperadas, no subconsciente, tendo em conta outros dias em que tentei pescar após vendaval.

O peixe levou o seu tempo a entrar no pesqueiro. O barco, ora se aproava ao vento, ora se atravessava à vaga, em movimentos laterais de 90º, ocasionando mau pescar, contínua procura de equilíbrio e a tentativa de evitar a grade, o que consegui com um Sargo de quilo e uma Sargueta grande, daquelas raras por mares do Sul.
O ferro soltou-se por força das condições de mar, indicando-me o caminho da segurança do porto e da calma duma tarde ainda jovem, com jantar já garantido. Amanhã é outro dia, tenho companhia e espero que melhor mar... pensei com os meus botões! Olhei o Makaira na proa e disse-lhe baixinho: vamos mas é embora companheiro!

A quarta acordou com menos vento, ainda assim, com força superior à que gostaria, pois queria ir mais longe... lá à tal zona onde os maiores têm aparecido ultimamente.

O Morais, o Fernando e o Teles,  amigos do tempo de escola, lá em Setúbal, encontraram-se comigo para o pequeno almoço, tudo com a fé em alta e esperando que o vento não nos pregasse partidas.

Saímos para o mar, cedíssimo, por volta das nove, procurando os maiores, com vaga e vento que, tendo caído face ao dia anterior, não estavam propriamente amigos... suportavam-se!

O pesqueiro delineou-se na sonda, com boa marcação, das melhores que lá tenho visto. A acção começou e a cor vermelha iniciou a decoração da arca, em formato de Pargos de quilo e pouco, intervalados por uma ou outra Sargueta e Choupa de tamanhos a condizer com os anzóis 5/0 e as iscadas correspondentes, enquanto o vento se tornava proporcionalmente agreste.

Os sinais estavam lá todos... peixe a roubar, peixe a entrar, ambiente de promessas que nos faziam suportar as condições cada vez mais difíceis, onde um dos mais pequenos a subir foi aquele que o Teles aqui mostra:


A vontade de procurar mares mais calmos já se sentia no ar, mas os sinais continuavam, assim como a vontade de sofrer um pouco mais na procura de maior recompensa que apareceu pela mão do Morais, com esta Dourada que parecia algo maior, talvez pelas dificuldades que as condições de tempo nos colocavam.


As almas cresceram, todos nos atirámos à acção cheios de vontade, mas o certo é que a agressividade do vento e do mar, acabou por nos mandar mais para terra, escapando a humores adversos do reino de Neptuno. Quem manda pode e o resto é conversa!

O abrigo de terra, onde os Sargos tendem a passear por esta altura, permitiu-nos procurar, sondar e fundear calmamente, parar para comer, comentando as peripécias lá de fora e ainda capturar alguns Sargos de bom tamanho compondo a pesca maior, interrompida.

O banho reparador nas instalações do Porto de Sines, os dois Pargos escalados, grelhados na brasa "à lá Zé Beicinho" e a conversa de pesca a perder de vista, completaram-nos o dia bastante positivo, considerando as condições impostas.

Obrigado companheiros pela companhia!

Resta agora esperar a próxima! Mas quando?

O tempo parece que vai pregar a partida no Carnaval!? Depois vem a Feira... Vamos ver!?

Até lá e ainda em relação à Feira, quero aqui deixar um sentido agradecimento e um forte abraço a todo o Pessoal de blogues e sites que tiveram a gentileza de divulgar o evento nas suas páginas.

A todos vós que me lêem e amigos, convido a aparecerem por lá nos dias de realização. Certamente não conseguirei estar à conversa convosco com o tempo que gostaria, mas alguma coisa se arranjará.

Boa noite a todos os leitores.

13 comentários:

António Vinha disse...

Olá Ernesto

- Feiras, Pescas, Barcos, chatos ao telefone..enfim, reforma-se uma pessoa para cair numa azafama dessas.

- Vamos tentar dar um saltinho à feira (Eu e os meus amigos de infortunio).

Até lá... se não for antes
Aquele abraço.

Obrigado por esta partilha

TóZé

Rebolo disse...

Boas Ernesto,
A organização da feira não te deixa pescar hehehe, mas é um mal menor, pois certamente que estás a fazer algo que ambicionavas à já algum tempo.
Mesmo assim ainda conseguiste dar uma escapadela, e com jantares técnicos e tudo, é o que se quer.
O tempo que ai vem, não será o melhor para pescar mas, desejo-te continuação de uma boa organização da feira e caso te seja possível de boas escapadelas até Sines.
Vê lá tu que tinha em mente que a feira seria já este mês, por esse motivo e que pedi novidades lá no Porto de Abrigo, ai esta minha cabeça ......
Abraço

Anónimo disse...

Olá Ernesto,
Foram uns bons momentos de pesca, mais uma vez. Ainda me hás-de dizer como é que fazes isso, de apanhar sempre bom peixe??? Não te calha assim um dia ou outro sem peixe XXL?
Parabéns por mais estes momentos, bem passados. Acredita que nos fazem muito bem, a nós que aqui viemos lavar os olhos e beber informação, estes teus relatos
João Carlos Silva

Pedro Russo Baião disse...

Vivas Ernesto!

A feira certamente vai ser um sucesso, Setúbal com o Parque Urbano tem todas as condições que assim o seja.

Gostei desses vinis e do cabeçote da Storm.
Já deram resultados?

Ando agora em aquisição de material de jigging, para uma ida aos Açores no Verão.
A ver vamos!

Ab.

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Grato pelos comentários!

Abraço

Ernesto

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Espero que o pessoal que vem por aqui dar umas leituras, mesmo os que não comentam, apareçam lá pela feira para podermos trocar umas conversas na medida da disponibilidade que houver!

Quanto ao João Carlos Silva e à questão de apanhar uns peixes... tenho a vantagem de só ir com tempo bom, na maioria das vezes, ir muito e os peixes devem gostar de mim... lololol

Relativamente aos vinis, quero referir que um deles - o azul - acho que me foi oferecido por ti ou pelo xandre, naquela vez que nos encontrámos aqui por Setúbal.
O outro - o laranja - é da Hart e ambos estão aplicados com cola em cabeçotes da Storm, aquela da Decatlon que o Nuno Zebu teve a amabilidade de me sugerir e até adquirir.

Quanto a resultados, não posso afirmar nada, atendendo a que não os experimentei as vezes que me permitam tirar ilações. No entanto o tipo de movimento que apresentam, certamente apresentará resultados em algum destes dias, quando estes e aquelas cores entrarem no dia certo, com a animação certa no local e à profundidade certos.

Nessa altura, estarei em condições de falar sobre eles, para além do que aqui descrevo.

Abraço a todos

Ernesto

João Martins disse...

Viva
Uns dias de pesca em terra e recarga de baterias
Por Sines o tempo está triste mas nem tudo é mau. Os vermelhos gozam a trégua e vão engordando para brevemente poderem dar boa luta Imagine-se a paz que vai por aqueles fundos sem o Ernesto ao ataque
A ajuda que precisar nos trabalhos da Feira, está à vontade
Abraço
João Martins
.

Ernesto Lima disse...

Viva João!

Grato pelo comentário e pelo apoio à feira!

Quanto às tréguas espero que acabem rápido. Já começo a ficar enjoado pela falta dos balanços do barco. Eheheheh

Abraço

Bruno disse...

viva Ernesto
É trabalho mas é feito com prazer pela maneira como escreve é notorio.
Essas pescas continuam a ter cor e tamanho, agora é esperar por condiçoes e abertas e pode ser que ainda nos encontremos por aqueles mares de Sines :)

Um abraço

Os Pescas disse...

Olá Ernesto
Parabens pela excelente iniciativa de organizarem uma feira de pesca aqui em Setubal, já fazia falta.
Um abraço,
Pedro ( PJPescador )

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal

Aos novos comentadores, agradeço a atenção!

Ao Bruno:

É de facto verdade Bruno... quando se fazem as coisas com gosto nada mais conta!

Quando apareceres lá por Sines ou em qualquer outra situação estás à vontade. É só meter conversa! Lolol

Ao Pedro dos Pescas:

Pois é Pedro... Uma das terras que conheço com mais pescadores por metro quadrado,não tinha uma feira... não podia ser!

Abraço

Ernesto

Apneialusa disse...

BOns dias,
De facto ja tenho tido noticias de uns daqueles grossos e conbativos nas artes de zagaia ;) mas em mares bastante para sul de sines.

Vou tentar dar um saltinho à feira. Nã ogaranto mas farei os possíveis.

Cumprimentos e bons petiscos!
Vitor

Ernesto Lima disse...

Viva Vitor!

Esses peixes costumam andar mais por fora nesta altura do ano.

vamos ver o que nos trazem os próximos tempos.

Quanto à feira, espero que consiga vir e, se possível, divulgá-la o mais possível.

Abraço

Ernesto