quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Alguns anos de escrita e a companhia das minhas "Amigas"...


Já conhecia bem as minhas "Amigas" quando no dia 23 de Janeiro de 2007 aqui publiquei, como lhe hei-de chamar? Talvez o primeiro relato, em modo de apresentação/introdução.
Verdade que a ligação com estas "Moças" é extensível a muitos de nós, muito antes e certamente depois deste meu enlace que, como em qualquer relação, teve e ainda tem momentos bons e menos bons, obrigando-me a tomar continuamente atitudes no sentido de manter os bons em alta, sempre consciente de não ser caso único neste nosso mundo da pesca.

Certo é que, passados vários anos, embora falseando-as de quando em vez ou até em ménages aceitáveis, são elas as principais companheiras dos dias de pesca mais produtivos, continuando a evidenciar uma versatilidade rara no nível em que se encontram.

Hoje, no 7.º aniversário desta página e sem pretender de modo algum relegar para segundo plano os leitores, vou partilhar convosco alguns pormenores da ligação que mantenho com as anunciadas "Amigas".

São elegantes, gordinhas que baste mas de carnes duras e olhos brilhantes quando frescas, cobrem-se de vestes vistosas que não picam, brilham com pouca luz e põem gravata vermelha se as deixamos apanhar calor, não saem muito caras e deixam-nos fazer tudo... Tão bom!

Já depois de lhes tirar a "roupa" dura que as protege, apresento-vos... as Sardinhas!

Em postas pequenas, ou maiores, dependendo por quais o peixe começa a atacar. Com as mais pequenas quando o que por lá anda é miúdo e se mostra indeciso, passando para outras maiores quando tudo indica que peixe a sério chegou ao pesqueiro ou os pequenos são tantos que já não há posta pequena que se aguente.  


Envolvendo sempre a espinha com o anzol, isca-se uma posta, quando o peixe está sem manias e come tudo.


Iscam-se duas quando a posta única não vem tocada, talvez porque "alguém" está incomodado com a haste do anzol, principalmente em baixas profundidades ou para que levem mais tempo a consumi-las permitindo que maiores se interessem antes que desapareçam, mas sempre libertando sucos e originando o frenesim provocatório entre miúdos, o que atrairá talvez aqueles que queremos. 


E porque não três postas, pelas mesmas razões apontadas para a iscada de duas?


E quando as três postas são consumidas tão rápido quanto as duas e sentimos ter de tomar uma atitude para que a isca se aguente, o que fazer?
Nada como iscar meia sardinha, a cabeça ou o rabo, num corte idêntico ao que se apresenta na imagem seguinte ou com qualquer outra forma que saia da cabeça de cada um.


Pessoalmente, gosto mais da parte da cabeça, por ter mais sucos, mais sangue e a tripalhada sumarenta e consequentemente chamativa. Cozo-a com o estralho, da boca para o lombo e deixo o anzol a jeito para bocarras maiores.


Verdade que, mesmo assim, tem dias que desaparece num ápice, acabando por recorrer-se ao pedaço inteiro, retirando-lhe a cabeça


Neste caso, cozo-a do rabo para a barriga, mantendo os mesmos cuidados com o anzol, terminando a iscada com uma volta de fiel dada com o estralho, junto à barbatana caudal, no sentido de melhor segurar o pedaço.


Se quisermos podemos ainda abri-las, retirar-lhes a espinha...


... Aplicar-lhes estralho e anzol grande ao meio...


... Cozê-las com fio próprio, segurando-lhes as carnes por mais tempo face aos ataques dos pequenos ladrões indesejáveis, quase sempre presentes, podendo tanto a iscada anterior quanto a seguinte adaptarem-se à pesca com chumbadinha ou em uma baixada com estralhos compridos (100 a 150 cm).


Em algum momento de uma jornada, não raramente, os resultados acabam por aparecer, com mais ou menos regularidade, decorrentes das variações continuas mais ou menos adequadas à informação transmitida pelos toques, através de iscadas maiores ou menores conforme as nossas opções face à técnica em uso e à atenção e capacidade de cada um ao utilizar a informação referida.

Muito fica por pormenorizar relativamente à nossa ligação com estas "Amigas", cujo maior predicado é, na minha opinião, a versatilidade.
Elas brilham, engodam, iscam, movem-se, desafiam..., dependendo da técnica que usamos, da forma e tamanho da iscada e do momento da jornada em que decidirmos optar por uma determinada conjugação destes factores.
E companheiros, estas minhas/nossas "Amigas", bem coadjuvadas por outras como a Cavala, Bomboca, Camarão, Caranguejo, Lula..., mortas ou vivas, podem formar um conjunto explosivo, promotor do preenchimento de caixas térmicas com cores lindas e tamanhos de peixes assinaláveis. 

Brevemente, colocarei à vossa disposição mais uma acção, ao vivo e a cores, onde poderemos esmiuçar sobre como conjugar iscas, iscadas, materiais e montagens e a sua utilização ao longo de um dia de pesca, face a determinadas características relacionadas com os sinais dados pelos toques.
Assim que tiver a coisa preparada, divulgo por aqui.

Confesso que o raio do tempo já me está a tirar do sério e não vejo a hora de me envolver uma vez mais com as "Amigas" que vos apresentei, salvaguardando aqueles de vós que anteriormente as conheciam  e com elas até teriam relações mais antigas.

Entretanto vou gozando este 7.º aniversário, agradecendo a Vossa paciência frente a tanta letra, esperando que gostem destas minhas parcas confissões e levantando o meu copo... À Nossa Saúde.

Tchim, tchim!

Bebam com moderação... se puderem!?
Caso ainda vão conduzir, o melhor é mesmo não o fazer.

Uma boa noite a todos os leitores.

13 comentários:

Anónimo disse...

E que tamanhos de anzóis usa para iscar a sardinha amigo? Obrigado. João Pinto

Ernesto Lima disse...

Viva João Pinto

Grato pelo comentário.

Em baixada com dois estralhos (80 a 100 cm), uso 4/0 ou 5/0 no anzol de cima e 6/0 no anzol de baixo.

Para Chumbadinha ou a pescar só com um estralho (150 a 300cm), uso 8/0

Em breve colocarei à Vossa disposição uma acção de informação sobre o assunto onde para além da forma de iscar em cada momento do dia, face aos toques sentidos, haverá uma parte prática com montagens, materiais, iscas e formas de iscar. Essa acção realizar-se-à em Setúbal e eu depois divulgo-a aqui e no Facebook.

Abraço

Ernesto Lima disse...

Viva João Pinto

Desculpe lá, mas esqueci-me de lhe agradecer os parabéns pelo 7.º Aniversário aqui da página.

Alguma coisa, disponha.

Abraço

João Martins disse...

Viva Ernesto
Parabéns pelo Aniversário! e que se repita por muitos mais anos!
Antes que o escândalo rebentasse (veja-se o que aconteceu ao "pobre" do Hollande...) acho muito bem que tenha tomado a iniciativa de revelar ao pormenor a relação afectiva que mantém há tantos anos com as suas amigas Sardines
Que elas lhe deixam fazer tudo, até concordo
Mas olhe que já começam a ficar carotas, só que a vontade de estar com elas suplanta este pormenor

Abraço JM
.

Rebolo disse...

Boas Ernesto,
Muitos Parabéns pelo 7º aniversario, que muitos ainda estejam para vir com bons relatos e de vara na mão.
Quanto as tuas (nossas) amigas, que me apresentas-te há uns anos atrás, só tenho pena que não sirvam para pescar aqui na tua terra. :)
Mas ainda bem porque assim sobram mais amigas para mim.
Dizes muito bem das amigas e é tudo verdade, mas têm um contra, têm um perfume que se mantém por muito tempo nas nossas mãos de tanto as acariciar, mas "prontes" não se pode ter tudo senão seriam amigas perfeitas.
Forte abraço e boas continuações.

Ernesto Lima disse...

Aos últimos comentadores agradeço os votos enviados.

Ao João Martins:

De facto as "Moças" começam a sair carotas, mas nada que ainda não se suporte.

Quanto à analogia com o caso Hollande, ainda bem que já me retratei. Hehhhhehehe

Ao Tiago Rebolo

Quanto às "Moças" não funcionarem na minha terra, adorei o tom irónico.
Quanto ao cheiro, para mim, não sendo desodorizante é muito melhor que o da Bomboca, principalmente se já tiver uma horita de aberta. Ehehehheh

Abraço

Anónimo disse...

Viva "Sôce",
Quero, muito sinceramente, dar-te os parabéns pelo aniversário do blog. Estás de parabéns pela longevidade conseguida (quantos blogs existirão com tanto tempo e a mesma regularidade?!?!?), mas também pela qualidade do mesmo. Sim, vais dizer que o fazes porque gostas (coisa que sei), mas é um trabalho que deve ser louvado. Em primeiro lugar porque, mesmo gostando muito, deve dar um trabalho tremendo; e, por outro, a partilha de informação que aqui encontramos não se encontra em mais lado nenhum. Obrigado por este cantinho.
Quanto às tuas amigas, acho-as perfeitas! Nem o cheiro me incomoda. Aliás, não há bifana e bebida melhor do que aquela apreciada no mar com um aromazito das ditas. É, para mim, quase uma coisa que não se explica. É como o cheiro a relva para quem joga. Podemos andar com a cabeça cheia, sem tempo, até com pouca vontade de ir (coisa que um bando de cabeçudos que andam a brincar aos governantes se esforçam por conseguir), com dores nas costas, etc, mas se chegamos ao barco e ficamos melhores, então quando começamos a mexer nelas, a escamar e fazer umas postas, entramos no paraíso.
Parabéns amigo
Um abraço
João Carlos Silva

Anónimo disse...

Parabéns! Que o blog siga em frente por muitos anos! Filipe

carlos disse...

Boa noite´

Como sempre um tema magnifico

Parabéns pelo 7.º Aniversário.

Aproveito e hoje no dia do 7º aniversario saiu Portaria n.º 14/2014 de 23 de janeiro define quadro legal da pesca lúdica.

Como sempre gostaria de saber a sua opinião sobre esta portaria.

Carlos Sampaio

Ernesto Lima disse...

Boa noite a todos

Aos últimos comentadores agradeço os comentários e votos.

Ao João Carlos Silva:

É isso mesmo que sinto, logo que as começo a "despir". Ehehhhehheh


Ao Carlos Sampaio:

Já comentei na minha página do Facebook (https://www.facebook.com/ernestofilipe.loureirolima?ref=tn_tnmn)

Possivelmente e após algumas dúvidas e leitura mais profunda virei a comentá-la aqui no Blogue em entrada própria, embora sinceramente a vontade seja quase nula.
Muito por duvidar que algo se possa vir a fazer para, a curto médio prazo, alterar o que agora foi legislado, infelizmente na data do aniversário deste local.

Vamos ver!?

Abraço a todos

Roberto Vicente disse...

Boas,

Amigo Ernesto, antes de mais congratulá-lo pelos sete anos de dedicação ao fórum, parabéns!

Segundo, temos que as amigas não sejam só suas...
Mas como há muitas e não fazem briga, eu contento-me com as que me calham!

Um pormenor importante, é o escamar antes da utilização.
Quanto às formas de iscar, está tudo dito!

Sem dúvida um isco excepcional na nossa pesca, ainda que, cada vez mais caro, continua a ser o mais barato que se pode gastar (sem ser o que se apanha).
Quanto à eficácia, o raio de acção do mesmo é estrondoso, tanto nas espécies como bitola dos exemplares que o procuram.

Despeço-me agradecendo o artigo e cá ficarei atento a novos desenvolvimentos deste fantástico blog.

Cumprimentos,
Roberto

Mário Baptista disse...

Viva amigo.

Estrondosa ideia; comemorar o 7º Aniversário com uma sardinhada :) :)

Parabéns pelo aniversário e votos de que este espaço se mantenha por muitos e bons anos.

Da Caparica, aquele abraço!

Mário Baptista

Ernesto Lima disse...

Ao Roberto e ao Mário agradeço os comentários.

Quanto à sardinhada... estavam deliciosas. Ehehhehhe

Abraço