segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Belos dias! Bela companhia! Mas peixe...

Fim de semana variado!
Pequenas manutenções no barco, preparação de montagens, materiais e iscas, na Sexta ao fim da tarde; e, pesca Sábado e Domingo, intervalando com muita conversa sobre o mesmo assunto!
No Sábado foram o Mário Batista, o Nuno e o Paulo que me acompanharam, e, no Domingo, vieram o Letras e o Zé Custódio, tudo pessoal companheiro de pescas anteriores, exceptuando o Paulo e o Nuno que vieram pescar comigo pela primeira vez, cumprindo combinações antigas.
Saímos a boca do porto, cheios de fé e boas intenções, em direção aos pesqueiros eleitos e vá de sondar, procurando fundos ricos onde deambulassem os motivos do nosso interesse.
A actividade submarina não me pareceu muito intensa, como indica a leitura de sonda acima apresentada, para cuja interpretação, poderão consultar a entrada, do mês de Novembro, com o título "Conselhos... E talvez dicas!", isto para evitar que me repita de forma interminável!
De qualquer modo, pode verificar-se, apreciando as imagens à esquerda da linha central branca e as encostadas ao lado direito do écran (a 1.ª zoom da 2.ª) que, da esquerda para a direita, as cores por baixo da linha de fundo foram passando de vermelhos e laranjas para azuis claros, indicando que o fundo se tornava mais brando e consequentemente mais afastado da zona de pedra rija, onde o peixe miúdo tendencialmente mais se concentra.
As marcações de peixe, são aquelas manchas espalhadas, azuis e amarelas, um pouco acima do fundo, indicando pouca concentração, mas a suficiente para suscitar o nosso interesse pelo pesqueiro. Também, por que foi ali que capturei os últimos exemplares, aqueles que já conhecem das entradas anteriores.
Fundeámos e iniciámos a acção de pesca, com a habitual insistência na variação de iscas e utilização da Sardinha como elemento sempre presente na atracção do peixe.
O roubo iniciou-se e a reposição contínua de iscas também, testando a nossa paciência e capacidade de resistir à "adversidade"!
Os peixes foram entrando, de forma espaçada, com boa qualidade e tamanho, fazendo com que mantivéssemos a pressão das iscadas grandes, aguardando sempre pelo tal... Aquele que nos testaria e às nossas montagens!
Começaram as chopas de bom tamanho! Pararam! Continuámos!
Depois entraram os Sargos, não muito grandes, para aí entre as 500 e as 800 gramas! E os maiores? Nada! A cana do Paulo dá sinal! A ponteira cabeceia! Não é muito grande mas permite encher-nos de esperança relativamente a outros que estejam para vir!? O Enxalavar! Onde está? Está aqui, a postos! E eis que entra o primeiro Pargo, para aí de quilo e pouco! O primeiro da vida do Paulo que sorria de orelha a orelha, permitindo-me uma alegria redobrada pelo primeiro sucesso do meu companheiro, com a captura deste exemplar! Boa Paulo! Espera que não fica por aqui! continuámos! Não sem antes marcar o momento para a posteridade com a foto abaixo, entre outras! Muitas!

A coisa não estava famosa, mas as capturas iam entrando, uma ou outra Dourada pequena, uma ou outra Sargueta com tamanho mais que suficiente para a grelha, mais um ou outro Parguete, espaçados e intervalando com muita reposição de iscas.
Resolvemos parar, almoçar e conversar um pouco. Talvez a falta de isca lá embaixo faça com que os "miúdos" se espalhem e os maiorzitos fiquem por ali a aguardar o que se vai passar! Já me aconteceu algumas vezes! Parármos em dia de muito roubo, e, passada uma meia hora, quando voltámos à carga, os maiores entraram! Porquê? Não sei concretamente, mas desconfio que se mantêm por ali a observar os "miúdos" e, quando as iscas voltam novamente, são eles os primeiros a dar a cara! Será?
Certo é que, mais uma vez parece ter acontecido!
O Nuno, assim que colocou as iscas na água, apanhou a chopa que se vê abaixo! Pena que não se tenha estreado com algo maior! Fica para a próxima!
A pesca continuou, árdua, sendo eu contemplado a seguir com uma Douradinha, e, passado algum tempo com outra! Mas, sem dúvida, o dia era do Paulo! Estava imparável! O homem era todo concentração, sem desistir! Mudando! E, foi compensado com mais um exemplar que há muito não capturava! Uma Dourada já crescida! Aquela que se vê abaixo!
Não devo descrever as sensações por ele sentidas, por serem dele, mas posso testemunhar, em primeira mão, a atenção e o cuidado que colocou em todos os momentos da captura e naqueles posteriores em que qualquer um consegue ler, na face dum companheiro, a alegria, a sensação de "trabalho" cumprido, a sempre necessária elevação do ego, a passagem pelo olhar de todos os momentos que antecederam o feito... Bonito de se ver e partilhar!
O dia chegava ao fim, com pouco peixe, mas todo de qualidade! Sem grandes exemplares, mas com grandes exemplos de capacidade e bem fazer! Ainda fomos ao Molhe Oeste, ver se apanhávamos uns Besugos ao cair do dia, mas a coisa não se deu! Entraram alguns, mas poucos! Demos por concluída a pesca de Sábado, mas não o convívio! Continuando com os restos de leitão e etc., acompanhados de bom vinho e muita conversa sobre os acontecimentos do dia, ao ar livre, na calma do porto de recreio de Sines!
O Domingo foi outro belo dia de pesca, embora muito fraco de peixe!
Mudámos de local várias vezes, mas não consegui dar com eles!
Fomos salvos pelo guisado de javali que o Zé Custódio nos trouxe! Abençoado!
A sensação de que o peixe está a completar um determinado ciclo, relativamente às zonas de alimentação que, já no Sábado, me tinha assolado, parece-me ter razão de ser! Está na hora de testar outros locais mais fundos, outras técnicas! Procurando... Procurando sempre!
Vamos ver! Depois conto!
Boa noite a todos!

12 comentários:

valter disse...

Estou mesmo a precisar de uma pescaria dessas. Pode ser que 2ª feira que vem consiga ir até à Azenha do Mar.

karva disse...

Viva Ernesto
Grande dia na companhia de grandes amigos. Excelente. Foi na realidade um dia de todas as emoções. O peixe foi razoável apesar de secundário, o convivio e a amizade é que conta e fica. Muito obrigado amigo.

Um bem haja para ti.

Grande abraço
Paulo karva

Ricardo disse...

Viva!

Parabéns aos participantes deste que deve ter sido mais um belo dia entre amigos!

Abraços!

Amorim disse...

Boas Ernesto, estive lá ontem no tal sítio dos teus grandes mas, como ainda não passei de 2º grumete foi mais cavalas e bogas hehehe, por mais que dê voltas á caximónia não atíno com a sonda e poitar onde quero ...é mentira!!!
Arranja lá um cadinho, para ver se subo de posto.

Aquele abraço..

Amorim

MarioBaptista disse...

Eheh!

Para contrariar a escassez de peixe, fomos contemplados com um dia em cheio!
De facto nem só de peixe vive o pescador desportivo. A amizade reinou a bordo, e isso é muito importante.

Valeu, Ernesto!

Aquele abraço!

Mário Baptistahg

7even disse...

O peixe é um bónus!
O que realmente nos move são estes bons dias!
Abraço

Sargus disse...

Viva amigo Ernesto, certamente foi um daqueles dias...
Um grande dia na companhia de grandes amigos certamente o convívio e a amizade é o que mais importa.

Aos amigos Ernesto, Paulo, Mário e Nuno um grande abraço.

Miguel Coucello disse...

Aposto que foi 5*, pela equipa a bordo so pode mesmo ter sido ;)

Um bem haja a todos

Anónimo disse...

Viva Ernesto !

A pesca tem destas coisas nem sempre corresponde as nossas e expectativas mas uma coisa é certa o prazer de estar com os amigos e navegar esse está sempre garantido.

Fui pescar na 3ªfeira, correu bem, apanhei 7 pargotes (800 g) e uns sargos bons.

Mas os maiores fugiram. Tive dois bichos presos que me partiram pela rabeira (será possível um fluorcarbono 0.40 da Berkley passo a publicidade que resiste a 12kg). Estava a utilizar montagens com pérolas furadas e para travar as mesmas fiz uns nós de 8, as duas partiram pelo nó. (andam por lá uns peixes com uns piercings)

Gostaria de saber se possível como faz com estes tipo de montagens com pérolas furadas dá nós de travamento ou faz um nós com outro fio para travar, para assim não tirar resistência à madre.

Já agora fica aqui uma Dica, como não tive oportunidade de ir a chumbadas rugosas e vermelhas a Setúbal, decidi por mãos a obra, peguei em chumbadas normais colei areia branca da praia com super cola 3 e pintei com verniz das unhas vermelho da loja dos chineses. (fica bastante económico). Ficam com um bom aspecto e funcionam muito bem a contar pelos cabeçudos que tem vindo parar o parto.

Um Abraço, até uma próxima quem sabe em Sines.

Rui Viegas

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Grato pela Vossa atenção e comentários!

Respondendo ao Rui Viegas:

Rui, é como dizes! Esses nós de oito a travarem as pérolas cruzadas, não funcionam muito bem com os "maiores"! Aconteceu-me precisamente a mesma coisa!

Se o travamento for feito com nós efectuados por fios suplementares, até do multifilamento que se usa, fica muito mais resistente!

Trazem duas desvantagens:

1. perde-se muito mais tempo a fazê-las o que para mim é complicado
2. Têm tendência a escorregar com um peixe mais pesado.

Pode ainda usar-se o nó de oito e destravar mais o carreto, mas correm-se outros riscos! Esses peixes não dão muitas oportunidades de erro.

De momento, prefiro usar os destorcedores de barril acoplados, cuja montagem e nós estão explicados na entrada, já aqui abaixo sobre materiais! É só correr para trás! Lolol (esqueci-me do título).

Espero ter ajudado! Se não? Diz qualquer coisa!

Até Sines!

Abraço!

Ernesto

Anónimo disse...

Obrigado pela ajuda!

vou fazer as montagens com 3 destorcedores de barril cruzados para 3 anzois. E esperar pelos grandes!!!!

Um abraço

Até Sines!

Rui Viegas

Paulo Machado disse...

Olá Ernesto,

Como sempre relatos deliciosos dessas pescarias com amigos... que me fazem pensar em dar sentido à carta de marinheiro que tirei à cerca de 6 anos....
Continue a partilhar essas preciosidades connosco.
Abraço

Paulo