terça-feira, 30 de junho de 2009

Se fosse peixe...


... Era certamente um predador, deambulando pelos mares, em busca persistente de comida para me manter forte, activo e em crescimento contínuo assegurando, sem pensar, estar nas melhores condições no momento de procriar com as belas fêmeas que sempre aparecem em certas alturas e locais com alguma regularidade.
Os "gaiatos" em cardumes vibrantes seriam a minha perdição, ora atacando-os abertamente, confundindo-os pelo medo, ora esperando-os na sombra de algum penedo onde nem dão por mim quando lhes caio em cima. Gosto mais desta última táctica, não me canso tanto, principalmente quando a corrente está contra mim. Aliás, a corrente é minha aliada, embora não me possa distrair muito com uns bocados de Sardinha e Cavala cheirosos que por vezes aparecem de borla, mesmo ali à minha frente, com aspecto tão apetitoso que me atiro a eles sem demora, mas aquela porcaria, depois de comida, agarra-se-me aos dentes e então não é que tenho de andar a puxar por aquilo e vejo-me danado para não chegar até à superfície. Que raio!
Até ao momento tenho-me escapado, mas não valem o cansaço esses bocados. Para além disso, deixam-me uma coisa qualquer aqui agarrada aos dentes, com um bocado de não sei quê a sair-me da boca de tal maneira agarrado que às vezes chega a altura de ir às fêmeas e aquela porcaria continua por aqui pendurada o que, diga-se de passagem, fica com um péssimo aspecto.
Mas mau, mesmo muito mau... Aconteceu a uns amigos meus que se distraíram outro dia e foram de encontro a um emaranhado de coisas daquelas que me ficam a cair da boca quando como aqueles pedaços... Então não é que ficaram por lá presos, foram desta para melhor e, enquanto os olhava pensando que tinha dimínuido significativamente a concorrência para a altura das fêmeas e tal... Não é que o tal emaranhado foi por ali acima, levando-os com ele... Pirei-me rápido que aquilo não era sítio para se estar. A verdade é que fui lá voltando de mansinho mas, embora o local seja pródigo em "gaiatos" saborosos, aquela porcaria está lá tantas vezes que deixei de frequentar a zona. Uma pessoa entusiasma-se atrás da comida e às duas por três enfia-se naquilo e desaparece sem deixar rasto. Ná! Não é cá para mim!
As águas andam a aquecer lá por cima, a comida que gosto procura águas menos profundas, mais claras e quentes e eu também terei de o fazer, o estômago é que manda.
Verdade seja dita que até prefiro!
Estas condições de água, trazem vantagens e desvantagens... Por um lado vejo melhor os tais emaranhados e outras coisas estranhas largadas para o fundo por uns peixes grandes que andam lá por cima e fazem um barulho que me dá cabo dos ouvidos, embora por vezes mandem comida cá para baixo, duvidosa, mas necessária. Por outro lado, os peixitos de que gosto também me vêem melhor e escapam-se com mais facilidade obrigando-me a canseiras desagradáveis.
Por vezes junto-me a uns camaradas, fazemos um cerco e é comer até não poder mais! No entanto, arranjar tais companheiros nem sempre é fácil.
Momentos há em que são os amigos Golfinhos que fazem o trabalho de cerco e nós alimentamo-nos por baixo, pena não ser coisa certa, aqueles Golfinhos nadam rápido estando hoje por aqui e amanhã não se sabe onde. Vida de predador não é fácil!
Há uns tempos atrás, íamos ali à terra e não havia grandes acidentes, mas agora, aparece por lá um daqueles peixes de superfície... Daqueles que fazem barulho e, sempre que aí aparece, vá de cair comida cá para baixo. Os "gaiatos" juntam-se no fundo por baixo dele em tanta quantidade que não consigo resistir a tentar tramá-los!
Primeiro ando por ali às voltas, com ar desinteressado, para que comam o que vem de cima à vontade, habituando-se à minha presença, são às centenas, de todos os tamanhos e, de vez em quando, lá vejo um ou outro subir por ali acima a estrebuchar, desaparecendo em seguida, talvez comido pelo peixe grande lá da superfície que na altura já costuma estar caladinho. O gajo não é parvo de todo!
Enquanto monto a minha estratégia vou-me cansando, a fome apertando e luto comigo mesmo para não atacar à parva o que nem sempre acontece... Um peixe não é de ferro e a comida não sendo fácil, é muita.
A comida parada ou mais lenta anda por lá e se eu quiser é toda minha, é só atirar-me a ela que os pequenos fogem a sete pés, mas então, são aqueles bocados de Cavala, Lula, Camarão... Aqueles que nunca se sabe se fazem mal aos dentes ou nos deixam com coisas feias penduradas. Raios partam isto! Não se pode comer descansado.
Ainda outro dia, estava eu nesta azáfama de tentar filar umas Cavalas gordas que andavam por ali distraídas a comer à grande mas, conforme me aproximava, as fulanas piravam-se! Dei voltas e mais voltas até que, não me aguentando mais, atirei-me a elas forte e feio!
Era Cavala para a esquerda, Cavala para a direita, Cavala para cima e para baixo quando, de repente, me apareceu à frente um bocado de Sardinha tão lindo e apetitoso que nem me deixou pensar... Comi-o de uma assentada, arrependendo-me logo que me voltei... Lá estava com aquilo espetado na boca, querendo nadar e sem poder mexer-me à vontade! Que chatice! Um peixe batido como eu, não sabia já que aquilo podia ser armadilha do peixe grande? Tinha de lutar com ele e escapar, sob pena das fêmeas desesperarem aguardando a chegada do garanhão habitual...
Fuji o que pode mas aquilo travava-me e pior que tudo, estava a consumir as minhas forças ajudado por uma aguagem que também estava contra mim. Isto está feio! Pensei!
Queria recuperar as forças e cada vez que o fazia algo me puxava em direcção ao peixe grande, já o via, a ele e a um outro, mais pequeno, parecendo estar às suas costas, com uma cabeça grande e com o que me pareceu ser uma antena gigante de lagosta pairando por ali. Esquisito!?
O medo deu-me forças e utilizei tudo o que sabia para me libertar o que aconteceu sem que o esperasse, embora tenha gasto quase a totalidade das minhas energias; de tal maneira que tive de pairar um pouco, nadando de lado e permitindo ganhar o fôlego necessário para me afastar daquilo.
Não tinha ficado com nada espetado ou pendurado... Senti-me vencedor e orgulhoso de mim, acabando por deitar um olhar malandro ao peixe grande que continuava no mesmo lugar, como se nada se tivesse passado. O mesmo não se pode dizer do peixe mais pequeno, com cabeça grande, às suas costas; este estava com uma cabeça ainda maior e já não tinha a tal antena gigante de lagosta. Será que a partiu? Quero lá saber... O que sei é que as fêmeas me podem aguardar sem receios! Tenho é de comer primeiro que a fome aumentou!

Não pesquei no fim de semana! Passei-o bem, lá pelo Torrão com o pessoal do Porto de Abrigo! Foi delicioso!
Agora chego aqui, vejo pessoal à procura de escrita e eu sem nada para dar... Não desisti e comecei a tentar pensar como um peixe. Talvez aquele último que me fugiu, quem sabe?
Uma boa noite a todos os leitores.

12 comentários:

Anónimo disse...

Viva Ernesto!!!

“se fosse peixe”, belo relato, na pele daqueles que nos dão belos momentos de adrenalina.

Só posso dizer, este relato, revela um conhecimento extensivo dos hábitos e truques, dos nossos amigos do Reino de Neptuno.

Abraço,

Rui Viegas

amorim disse...

Viva companheiro, perante o que aqui escreveste só me ocorre uma palavra, SUBLIME !!!!

Belos momentos se passam a ler o que escreves. Obrigado.

Abraço

Amorim

Anónimo disse...

Sim senhor! Muito, muito, mas muitíssimo bom mesmo. Não me surpreende a qualidade da escrita, que a isso já nos habituou, mas assim roçando a ficção e tão, mas tão perto da realidade, é fantástico. Os meus sinceros parabéns por este excelente momento, 5 estrelas! E sim Ernesto, tem razão, a malta já estava aqui a desesperar por nova escrita, já estávamos todos a ressacar. Um abraço e o meu muito obrigado
João Carlos Silva

Anónimo disse...

Viva Ernesto Lima
Um fim de semana sem pesca deu para a loucura e para mais uma grande página!
Excelente a transição do "se eu..." para o visado, sem darmos por isso estamos com as barbatanas do "seu amigo"!
A Vida vista do lado de lá, o guião para um filme ou muitas achegas técnicas, subtis, para se perceberem os sinais que acontecem durante a pesca... o que se queira!
Depois disto, quase me sinto tentado a pedir-lhe que liberte o artista se num qualquer dia e ao vivo o combate pender para o peixe com uma cabeça grande e com o que parece ser uma antena gigante de lagosta...

Um abraço e, por favor, enlouqueça mais vezes

João Martins
.

Anónimo disse...

Viva Ernesto!
Às vezes também é bom pormo-nos do "outro lado" e com isso sempre aprendemos mais alguma coisa que nos faça evoluir na pesca e na vida.

Belo relato, um abraço.

Luís Guerreiro

Paulo karva disse...

Viva Ernesto

Magnifica história, soberbamente contada.
"Se fosses peixe..." tinhas que ter muito cuidado com o Emak que anda por esses mares e se desse contigo não tinhas hipóteses. LOL

Abraço
Paulo karva

Anónimo disse...

Gostei da inversão dos papeis. Nota-se a experiência acumulada na caça submarina.
Vi o filme todo e bato palmas no final pela narrativa ! Obrigado Ernesto por mais uma viagem, desta vez no fundo do mar...

Anónimo disse...

Se tu fosses um peixe...

Eras de certeza daqueles "finos" que sabem comer com jeitinho, mas...

Com a tecnica aos chocos em Setubal, sim aquela de apanhar a choca e aguardar pelos
assanhadinhos... Vinhas bater com o costado no convés que era uma limpeza...Lol!

Até a contar histórias consegues dar as dicas todas...é um DOM, fazer o quê? Olha, conta mais!

Da Caparica, aquele abraço a todos.

Mário Baptista

Rui disse...

Bonito retrato de como é um peixe.
Tenho um site que és capaz de gostar!


http://www.wishandfish.pt/

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

A todos agradeço os comentários!

Fico satisfeito de fazer parte da Vossa leitura e de vos proporcionar os momentos que descrevem.

Tentarei continuar a manter os devaneios, relatos, reflexões... Tudo o que me tenho entretido a fezer por aqui! É só a minha pesca de Fim de semana... É como a encaro! Lol

Ao Rui:

Viva Rui!

Esse Vosso site parece bastante interessante e vou colocar o link aqui no blog. Sobre o site, já seguiu resposta ao e-mail que enviou.

Um abraço para todos.

REINOLD BAUDISCH disse...

Parabéns pelo BLOG!
Você pode visualizar nosso programa, e dicas, novidades de pesca no taquiobicho.blogspot.com
BOAS PESCARIAS!

Ernesto Lima disse...

Viva Reinold!

Grato pelo comentário!

Belas páginas que apresenta no seu! Lindo

Já coloquei seu link aqui!

Abraço

Ernesto