terça-feira, 15 de junho de 2010

Fim de semana de: "podia ter sido... Mas não foi"!


Choupas grandes... Carapaus Azuis... Mas quem é que capturou isto? Onde está a cor vermelha?

Pois é pessoal... A cor vermelha não compareceu neste dia. Verdade que há muito não acontecia esta ausência ou a de outros peixes que, não sendo vermelhos, colmatam bem a falta destes, mas... Era evidente que teria de acontecer. É uma questão de probabilidades e, eventualmente de más escolhas. Passo a contar!

Finalmente, consegui ter uma Sexta, Sábado e Domingo sem afazeres ou libertei-me deles, sobrecarregando a semana anterior e também a que está a decorrer... Não interessa!

O que interessa é que fui, tendo combinado com o João Martins a Sexta à tarde; com o Raimundo, o Pedro e o Victor, o Sábado; e, deixado o Domingo para zagaiar a solo, caso a vontade, o cansaço e o vento o permitissem.

Sou sincero... Criei grandes expectativas para a Sexta à tarde; primeiro erro!

Digo isto porque, tendo em conta experiências anteriores, as fortes expectativas, assim como, os objectivos e sonhos que a elas tendem a aliar-se, jogam muitas vezes contra nós. Mais ainda, quando o tempo útil de actividade, as condições climatéricas e outros factores se apresentam como condicionantes negativas ao que pretendemos conseguir. Senão vejamos...

Toda a semana pensei nos pesqueiros que iria tentar, principalmente na tarde de Sexta Feira, atendendo a que, nos outros dias, teria todo o tempo para emendar qualquer erro. Mas, aquelas três horitas tinham de ser bem pensadas e a zona de pesca muito bem escolhida, considerando a procura de sucesso no que respeita  a melhores exemplares.
A escolha de pesqueiros teria de recair sobre zonas conhecidas, situadas relativamente perto, considerando a época de ano, resultados obtidos e condições climatéricas; sendo que, a zona que escolhi, por ser a mais profícua em termos de resultados, acabou por ser a mais exposta ao vento e à vaga seguida e desencontrada que se fazia sentir; podendo esta opção ter constituído o... Segundo erro.
Como se estas opções não bastassem, uma outra condicionante se verificou na zona... Havia redes espalhadas por vários pesqueiros, sendo que optei por sondar os pesqueiros mais a Norte e por fora, por sua vez, os que menos regulares têm sido em termos de resultados naquela belíssima área, mesmo com marcações aceitáveis. O problema é que apareceu uma marcação destas, entre dois pontões e, optei por fundear e iniciar a acção de pesca. Aqui, eventualmente, terei cometido o terceiro erro... Porquê?

Naquela área e com o tempo útil disponível que teria de pesca, deveria ter gasto um pouco mais de tempo e sondado os pesqueiros por terra e a Sul das redes, por se terem apresentado mais seguros em termos de resultados obtidos nesta época. Mas não... Acabei por fundear logo ali!

A pesca iniciou-se, os sinais estavam lá todos... Peixe a roubar tudo o que lá caía, reposições contínuas de iscas, com os gaiatos a fazerem o seu trabalho, mas, sem os resultados esperados e muito ao modo daquele pesqueiro, com raras e, por vezes, excelentes excepções.

Esta análise tem por base resultados anteriores, não sabemos se o que ali aconteceu não aconteceria naquele dia em outros pesqueiros na zona, mas, fica a mágoa de não ter espreitado antes da opção de fundeio, quem sabe, estaria agora a contar sobre "aquele peixe" e não a equacionar possíveis erros. É a Pesca!!!

Para todos os efeitos, levámos alguma tareia de vento e mar desencontrado, apanhámos o jantar e tivemos conversa regada até tarde sobre o assunto. As Choupas e os Carapaus, foram transformados pelo Zé Beicinho num autêntico manjar. Obrigado Zé!

O Sábado acordou, menos ventoso, mas com promessa de aumento para a tarde, faltando saber se a vaguinha seguida e desencontrada ainda por lá estaria... No entanto, tínhamos o dia todo e algo se arranjaria. Voltara a frieza da procura e da sondagem, como arma principal na escolha de pesqueiro de sucesso.

Fomos para Sul, procurar os pesqueiros de época e sondagens a condizer. Saltámos de pesqueiro em pesqueiro, sem que as leituras de sonda agradassem, até que fundeámos na quarta paragem e encontrámos o que procurávamos... Marcações de peixe, azuis, verdes e amarelas; agarradas ao fundo  numa extensão considerável, e... Ferro ao fundo!

O peixe comia desalmado e os Pargos de quilo começaram a entrar a bom ritmo, intervalados com umas Sarguetas daquelas maiores; enquanto suportávamos aquela vaga pequena, seguida, desencontrada e muito chata que acabou por fazer estragos, na forma de faces com cores mais brancas que o habitual e até para o lado do esverdeado. Era hora de mudar para zona mais calma, sob pena de estragar a pesca para alguns de nós. Sim... Se não estivermos bem, as hipóteses de sucesso caem a pique e os objectivos de um dia agradável diluem-se em vísceras viradas do avesso e histórias más de contar. Não vale a pena!

A pesca já estava composta, a cor vermelha assegurada e ainda não era uma da tarde. Fomos para Norte e para a terra, em fundos de 20/22 metros, tão do meu agrado nesta época do ano.

O peixe, também aqui, comia de tudo e insistimos, já recuperados das más disposições, aguardando os maiores, enquanto os Sargos faziam a sua aparição e nos iam divertindo de forma espaçada. Sargos como este que o Pedro nos mostra:

Entravam também Carapaus e um ou outro Parguito, até ao maior exemplar, também ele conseguido pelo Pedro, herói desta jornada cheia de momentos altos e outros nem tanto.

Cá está ele... O maior do dia!


Muitas outras fotos poderiam ter sido tiradas, mas, esta malta cada vez está mais esquisita... Nem todos os peixes lhes servem para posarem. Ainda bem que assim é!

O dia chegou ao fim, com uma boa pesca, sem ser excepcional; vísceras direitas e cores alegres. Despedi-mo-nos com promessa de próximos encontros, eles para casa e eu para os Secretos de Porco Preto lá do Zé, pois carne... Também faz falta! A zagaia que esperava fazer no dia seguinte, se o vento e o cansaço acumulado deixassem, exigia reposição de calorias e a opção pareceu-me boa.
Certo é que entre os secretos, o vinho de Pias e a conversa ao jantar, já só pensava no vale dos lençóis e no embalo do Makaira, pelo que parti para um sono pesado, longo e reparador que só terminou às 10.30 de Domingo, relegando a zagaia para outro dia, pois, para além de me sentir bem moído, já dava para perceber a entrada de vento e uma saída inglória. Ao invés, tomei o pequeno almoço, arrumei tudo, senti a entrada do vento, pairei por ali, conversei com este e com aquele e andei para casa, o que a família também agradeceu.

Para a próxima talvez a zagaia conte história e se não for zagaia, será qualquer outra coisa.

Até lá divirtam-se e uma boa noite para todos vós.

14 comentários:

Anónimo disse...

Como sempre Ernesto... mais uma grande partilha para com os teus leitores assíduos. Mais umas capturas, e sobretudo,momentos bens passados... quer na companhia dos amigos, quer na companhia da embarcação e do mar. Em breve, quando veres um pescador de kayak ali por Sines e arredores não te admires... serei eu em cima da minha canoa flutuante em busca de um exemplar digno de registo.
1 abraço Ernesto

Atentamente,Luis - AEPG
Saudações da Tribo Fishyak

Ernesto Lima disse...

Viva Luís!

Grato pelo comentário!

Quanto à tua canoa flutuante, quem sabe ainda não nos encontraremos para uma pesca, em embarcações idênticas... Lol

Abraço para ti e para o pessoal da tribo.

fmccb disse...

Amigo Ernesto os meus parabéns por estes relatos que eu tanto gosto de ler e os meus parabens por todas essas pescarias feitas por si e que continue a brindar-nos com esses relatos pois o pessoal que gosta de pesca como eu agradece

OBRIGADO

João Martins disse...

Viva Ernesto
Um fim de semana cansativo, o mar e o vento não ajudaram mesmo nada
Sexta, apesar de tudo, foi agradável como sempre estar a bordo do Makaira e pescar na sua companhia.
Mais uma lição, embora com uma grande burrada minha: indisciplina a "fazer" o pesqueiro com variações de isco em excesso. Quem sabe se me tivesse mantido preso à sardinha a coisa não tinha corrido melhor? E os roubos nessa tarde obrigavam a reposições constantes de isco e enorme sensibilidade aos toques a que também não respondi da melhor forma
Aprendi pela negativa e ainda hoje reflicto no que se passou
Já o jantar técnico correu da melhor forma. A apreciação do contra relógio desse dia foi excelente
Obrigado por tudo
Abraço
João Martins

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Grato pelos comentários!

Quanto ao João, penso que chamar "burrada" é demais e até desadequado, atendendo ao comportamento conhecido daquele pesqueiro, em termos de resultados.

Não é a primeira vez que aquele pesqueiro da zona me prega a partida, penso que por ser o que está mais no extremo.

Aquilo é uma zona de pontões altos muito juntos e o peixe melhor tende a circular pelos canais entre pontões. Aquele pesqueiro, penso que, por estar no limite da área e mais afastado dos outros é, digamos, menos certo...

A verdade é que não me parece o melhor pesqueiro para arriscar uma "rapidinha", mesmo com marcação de sonda razoável.

Depois, em desespero de causa, tudo se tenta e foi o que fizémos.

Ab

Ernesto

General sem medo... disse...

Sempre bons relatos acompanhados de fotos a condizer... Obrigado pela Partilha Ernesto.

Abraço,

Ernesto Lima disse...

Viva General sem Medo!

Grato pelo comentário e bem ao local!

Abraço

Ernesto

Anónimo disse...

Olá Ernesto,

Se há gente que compreende o que é 3 semanas sem ir à pesca, sou eu. Há 3 semanas que não vou e, pior ainda, há o mesmo tempo em que nem pc tenho para vir até aqui pescar!!! Por isso, amigo, estou solidário e também mal como estiveste. Estou tão mal que, como viste esta manhã, fui passar à marina e fumar um cigarro na casca de noz... Já é muito bom lá estar! Os meus sinceros parabéns pelas tuas pescas, mais a outra do que esta, mas o melhor de tudo é mesmo lá ir respirar aquela brisa. Um abraço e continuação de boas sortes

João Carlos Silva

Ernesto Lima disse...

Viva João!

É verdade, cruza-mo-nos por lá logo pela manhã.

Grato pelo comentário!

Ainda apanhámos uns peixitos... Depois conto!

Azoresub-Bluewater disse...

Bela pescaria ;)

Ernesto Lima disse...

Viva Tiago!

Grato pelo comentário.

No entanto, estas pesquitas comparadas com o que se pode apanhar por aí, nessas lindas ilhas, quase que se podem chamar "aperitivos". Lol

Ab

Ernesto

donoda disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Viva Ernesto
Há bastante tempo que não ando por cá. Até nem tirei ainda licença esta ano.
Vejo com agrado nque continuas com os teus relatos sempre uteis e agradaveis de ler.
Um abraço
Serafim

Ernesto Lima disse...

Viva Serafim!

É verdade... Há muito que não aparecias!

Sejas Bem Vindo e grato pelo comentário.

Abraço

Ernesto