sexta-feira, 22 de agosto de 2008

A Oportunidade... Perdida entre ventos!

As férias vão continuando e o vento não descola!
Temos estado sempre à espreita, mas, só hoje, Quinta Feira, vislumbrámos a nossa oportunidade de pesca, e, não a perdemos!
Tudo a postos! A calma do costume... e, lá fomos testar um fundo novo que detectei no passado fim de semana, enquanto passeava de barco com a família, mantendo a sonda aberta... Claro!

A pesca não foi má, pode até dizer-se que foi boazita! Mas, os grandes, esses continuam a não entrar no poço do barco! Pior! Fugiu-me um!
Ainda pior! Cometi demasiados erros... Os quais influiram significativamente nessa perda!
Mas já lá vamos... Até porque esse será o principal objectivo desta conversa!
Entretanto, na perspectiva de "dourar a pílula", faço-vos saber, em primeiro lugar, dos resultados da pesca, mostrando-vos os maiores conseguidos e um panorama geral das capturas!
A foto de entrada com o maior Pargo capturado!
A que se segue, com o maior Sargo Legítimo!

Agora, o melhor exemplar: uma Saima com 2,300 kgs!

O panorama geral dos maiores capturados entre mim e a minha mulher e companheira de pesca!

O panorama geral daquelas capturas que certamente não procuro, mas que entram aos anzóis grandes e, verdade se diga, até fazem uns belos petiscos!
Até que, chega a hora de falar da derrota deste dia... Daquelas que nos ensinam se conseguirmos perceber os erros cometidos.
São dez da manhã! Uma hora como outra qualquer, num dia de férias que fica para a minha história!
Vamos para um pesqueiro abrigado, há pouco descoberto e nunca testado!
Chego, sondo e poito o barco com os cuidados habituais!
O fundo mostra-se rico, numa profundidade escandalosamente baixa, tendo em conta a maioria dos conceitos actuais de pesca embarcada, principalmente junto daqueles que acham que só fundo ou muito fundo se encontram grandes exemplares!
Uma cana para mim, uma para a minha mulher, com as montagens que tenho descrito, ambas a pescar na mão, e, uma cana no caneiro, montada com um só anzol, maior, com um estralho de 1,80 metros, pensando que, naquela profundidade, entre outros factores, poderá ser positivo que as iscas se mantenham mais afastadas da madre, atendendo à penetração da luz na camada inferior da água!
Iscas para baixo e os "ratoneiros" não deixam os seus créditos por mãos alheias... Tudo o que cai, é comido à velocidade da luz! Insistimos com a Sardinha, a Lula e, a minha mulher ataca também com Camarões inteiros, com casca e tudo!
Pela minha parte, isco insistentemente com Sardinha, à posta, na montagem da cana que tenho na mão e, quase inteira, na cana que está a pescar por sua conta!
A minha mulher estreia-se com um sargo, um daqueles que está no lote dos maiores! Caíu ao Camarão! Eu, penso em mudar de isca, mas não mudo... Continuo na Sardinha!
Passa uma meia hora e, enquanto estou absorto em mais uma substituição de isca, de costas viradas para a cana que está a pescar por si, oiço um ranger conhecido! Olho para trás e arrepio-me todo! A cana abandonada está dobrada quase até ao cabo e cabeceia que nem uma louca em direcção ao mar aberto, por baixo do casco barco! Para a cana fazer isto que raio de animal é que está do outro lado? Penso... Numa fracção de segundo!
Agarro no cabo da cana e tento retirá-la do caneiro, o que faço com dificuldade, enquanto o carreto deixa sair alguma linha, pouca! Consigo colocar a cana a jeito! Inicio a luta que dura alguns segundos e o peixe solta-se! Não quero acreditar! A realidade é dura e acerta-me com força! Qual punho fechado e sem luva de um pesado em plena forma!
Penso no assunto, ainda sem saber o que de facto aconteceu e subo a pesca! O estralho partiu junto ao nó do destorcedor que o liga à madre! Porquê!
Não é hora de pensar muito! Reponho o estralho e o anzol, torno a iscar e contínuo a pesca, contando que surja outra oportunidade e pensando em manter o pesqueiro engodado!
O dia de pesca continuou e acabou com as capturas que acima vos mostrei, importando agora analisar a "Oportunidade... Perdida entre ventos!
Após análise dos acontecimentos, algumas questões se colocam!
Porque é que o peixe fugiu para baixo do barco?
Porque é que a embraigem, não deixou sair linha?
Que erros cometi enquanto a acção se desenrolava?
A fuga para baixo do barco, parece-me poder estar relacionada com a tendência natural de um peixe grande procurar fundos mais importantes, já que é nessa direcção ou na da aguagem que costumam fugir, e, aguagem era coisa que não havia! Ora se a cana estava a pescar virada para terra, num fundo de 20 metros, é natural que o peixe, procurando maiores profundidades, se tenha dirigido na direcção contrária, logo, passando por baixo do barco!
Quanto à embraigem não ter correspondido, pode dizer-se que: a cana ao dobrar no sentido do seu próprio cabo, dificultou essa acção; a embraigem estava tarada tendo em conta maiores profundidades onde o peixe não luta tanto, logo, mal tarada para aquela profundidade, considerando a potência da montagem!
Os erros cometidos, pois... São vários!
Deveria ter pensado nestas questões antes de iniciar a acção de pesca!
Quando verifiquei a força que o peixe fazia e a dificuldade de reacção da embraigem, deveria tê-la aberto, um pouco, antes de tentar retirar a cana do caneiro!? Em vez disso fui para a luta directa... Irracional! Enfim... Paguei caro! Mas não me vou esquecer!
Os ventos vão voltar! A pesca vai interromper! O descanso vai continuar!
Mas eu volto lá, precavido destes erros! Vamos ver se não encontro outros!?
Desculpa peixe... Pelo anzol que te cravei, mas, era isso ou a panela!
Boa noite a todos os leitores!

5 comentários:

Sargus disse...

Viva Ernesto,

A oportunidade perdida entre ventos ou um dia no Peixe outro do Pescador, curiosa a expressão final caro amigo:

"Desculpa peixe... Pelo anzol que te cravei, mas, era isso ou a panela!"

Erro ou ensino, felizmente temos tanto que apreender nestas coisas da pesca até chegarmos a um estado de perfeccionismo, falo por mim, por quando surgem os combates as coisas nem sempre são iguais.

Grande abraço caro amigo e boa continuação da procura dos "vermelhinhos".

Paulo karva disse...

Viva Ernesto
Parabéns também á esposa pela pescaria. Belos peixes.

Esse devia de ser dos grandes mas acho que apesar de tudo, e foi pena, fizes-te uma boa análise da situação. Para a próxima não escapa.

Abraço
Paulo karva

Amorim disse...

Boas companheiro, apesar de os grandes andarem armados em dificeis, as tuas pescarias acabam por ser sempre fartas e apetitosas( com a seca que ando esses carapauzitos grelhados marchavam que nem ginjas) em relação ao "perdido" bem, essa cena faz lembrar a que te contei em que parti a cana, só que a minha foi saloísse mesmo, enquanto tu, tavas distraído......é o q faz as férias, hehehe !

Continuação de tudo bom e, aquele abraço!!

Amorim

Anónimo disse...

Tantas horas atras "deles" e quando
aparecem...
Acho que nao fizeste muintos erros Ernesto,(tirando o da embriagem)hehe
acho que o peixe era potentissimo e
como tal cabe-lhe a ele tambem o previlegio da vitoria que e' muinto comum em exemplares de grande porte.
Eu custumo dizer"Nao foi o ultimo!!"
Outros virao !!!

Abraco

FC

Ernesto Lima disse...

Viva Pessoal!

Grato pelos comentários!

Não fiquei insatisfeito com a pesca!

Agora, aquele matulão que se foi, deixou-me cheio de azia! Lol

Abraço!

Ernesto